TEXTO
TEXTO
+ -

Olá, seja bem vindo!

Esqueceu a senha? Clique aqui.

Baixe o nosso app:

Cesmac Agreste integra programação do TJ AL no Agosto Lilás, com Projeto de Extensão Reconstruindo Laços

Iniciativa do Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas e do Juizado da Mulher de Arapiraca reforça a campanha destinada à temática da violência contra a mulher na ação “Arena do Empoderamento da Mulher”, que acontece no Arapiraca Garden Shopping, nos dias 18 e 19

11/08/2022 às 17h52

A Faculdade Cesmac do Agreste participa, nos dias 18 e 19, da programação realizada pelo Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas (TJ/AL) e o Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Arapiraca, ação destacando o “Agosto Lilás”. A unidade de educação superior vai estar na “Arena do Empoderamento da Mulher”, que acontece no Arapiraca Garden Shopping, com o Projeto de Extensão Reconstruindo Laços, coordenado pela Profa. Juliana Freitas, a convite do magistrado titular do juizado, Dr. Alexandre Machado de Oliveira.
O projeto extensionista é diretamente comprometida com o resultado social das ações referentes à rede de proteção à mulher, em especial nesta cidade e na região do entorno do município. O reconstruindo laços, é um projeto de extensão da Faculdade Cesmac do Agreste, criado e desenvolvido por alunos do curso de direito da instituição, vinculado ao Núcleo de Apoio à Extensão, abordando a temática e atua no combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. A programação do Cesmac inclui: Espaço “Instagramável” - área com cenário que oferece foto atrativa ao público, em tons de lilás, fazendo alusão à campanha Agosto Lilás; Roda de conversa - palestras, em tons de conversa, que trabalham e abordam de forma acessível ao público em geral temas de mulheres em evidência, superação e empoderadas.

Participam dos debates a Psicóloga Francielle Dias, na quinta (18), às 19h30; e ainda a Assistente Social Jaqueline Lima, a partir das 20h. Já na sexta (19), a programação recebe o juiz Alexandre Machado de Oliveira, às 19h30. Ainda no dia 18, às 18h30, o Cesmac Agreste leva a influenciadora digital destaque na região, criadora de conteúdo direcionado ao empoderamento feminino, Ágatha Venceslau/ Rapunzel Bolada, como forma de promover e chamar a atenção do público sobre a temática. As ações do Reconstruindo Laços incluem apresentação audiovisual, mostrando as ações que o projeto trabalhou e ainda trabalha, levando informação à população, de temas que são importantes sobre violência doméstica e familiar contra as mulheres e que envolvem os seus direitos.
Tem ainda Mulheres de Destaque, também apresentando em projeção visual, mulheres que alcançaram marcos importantes, superando os obstáculos impostos em decorrência do gênero e marcando a história da luta pelo direito da categoria, são elas: Marta Vieira: Jogadora de futebol alagoana, embaixadora da boa vontade da ONU Mulheres, foi considerada a melhor jogadora do mundo por seis vezes e bateu recordes entre homens e mulheres; Dra. Nise de Silveira: Médica psiquiatra alagoana que trabalhou para mudar os tratamentos psiquiátricos, substituindo métodos pouco eficientes e extremamente agressivos para os pacientes com transtornos mentais; Anilda Leão: Alagoana, poeta, escritora, militante feminista, atriz e cantora brasileira, que ousava e escrevia sobre temas considerados tabus; Carmen Lúcia Dantas: Museóloga alagoana, apaixonada pela cultura, escritora, conseguiu recuperar o museu Théo Brandão depois de 14 anos fechado ao público. Hoje o Théo Brandão é uma referência nacional; e ainda Ana Lins: Senhora de engenho alagoana que aderiu a causa liberal, apoiando a Revolução Pernambucana de 1817 e a Confederação do Equador em 1824.
A programação também destaca Linda Mascarenhas: Professora e atriz Alagoana que lutou contra todas as formas de desrespeito aos direitos humanos, como atriz, teatrólogo e líder feminista. É considerada a eterna primeira dama do teatro alagoano; Mãe Neide: É alagoana, arapiraquense, fundadora do Centro de Formação e Inclusão Social Inaê, que tem como objetivo promover educação, cultura, saúde e geração de emprego e renda. Ela recebeu o título de mestra do Patrimônio Vivo do Estado de Alagoas em 2014; Sil da Capela: Artesã e artista alagoana, é conhecida internacionalmente, considerada pelos mais importantes galeristas de arte popular do Brasil, marchands e colecionadores a maior descoberta da arte popular do Brasil nas últimas décadas. Já participou de uma novela da Globo (A Lei do Amor) interpretando ninguém menos que si mesma; Mestra Regineide Rosa: Alagoana, mestra de coco de roda, cantora de grupo de destaladeiras de fumo de Arapiraca e luta bravamente para manter a tradição de seu pai, o saudoso mestre de coco de roda e patrimônio vivo da cultura alagoana, Nelson Rosa; além de  Maria José Carneiro: Alagoana, lutadora da resistência negra em Alagoas, é a mais antiga quilombola viva da comunidade Carrasco. Mulheres alagoanas escolhidas para a campanha do Agosto Lilás por se destacarem na cultura, literatura, educação, arte, medicina, economia, esporte e por lutarem para que as mulheres também tivessem espaço em um ramo que é majoritariamente ocupado por homens.
Com o objetivo de prender a atenção do público, o espaço do Cesmac Agreste também vai contar com um totem digital e interativo contendo enquetes, informações sobre o tema abordado pelo projeto (onde denunciar, quem se enquadra como agressor ou vítima, tipos de violência, entre outros.) e demais recursos contendo informações sobre o tema em questão, acompanhando a campanha.
“A parceria com universidades é fundamental para a melhoria do poder judiciário, mas precisamos reconhecer, enquanto poder judiciário que somos, que não damos conta sozinhos de responder uma questão fundamental: Como criar políticas públicas de prevenção e repressão eficientes, efetivas, para o combate da violência doméstica e familiar contra a mulher? Os números mostram que uma mulher é estuprada a cada minuto e morta a cada duas horas. Presenciamos situações de feminicídio em todo o estado na última semana, e esse enfrentamento nós não vamos conseguir fazer sozinhos, precisamos de parceiros para termos mais alcance. E importante que o poder judiciário saia do gabinete, vá até a comunidade ao encontro dessa mulher vítima de violência que tem tanta dificuldade de acessar esse sistema de justiça, por isso a relevância dessa parceria com o Cesmac do Agreste e com o Projeto de Extensão Reconstruindo Laços, que serve como instrumento de inserção social aproximando a academia de comunidade e instituições como o poder judiciário, propondo uma mudança radical nas características atuais na extensão universitária”, descreve o juiz Dr. Alexandre Machado de Oliveira.
Alexandre Machado de Oliveira - Magistrado titular do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Arapiraca
 
O magistrado disse ainda que, “a ação extensionista desse projeto passa de uma atitude, que muitas vezes observamos em outros projetos de extensão meramente assistencialistas, para alcançar outro patamar de uma atitude mais propositiva. Termos esse projeto como parceiro aumenta o alcance das nossas ações dentro do poder judiciário. Nesse particular temos duas grandes ações desenvolvidas no juizado que é o mapa da violência e avaliação sócio-econômica que contam com a participação efetiva do Projeto Reconstruindo Laços. Projeto e fluxo desenvolvidos que hoje concorre até a premiações nacionais, demonstra que essa parceria beneficia a sociedade e os alunos envolvidos, alcançando o objetivo de crescimento pessoal, acadêmico e social, ao mesmo tempo em que traz relevantes serviços à comunidade. Quero parabenizar ao Cesmac do Agreste, na pessoa do Dr. Orlando, das professoras Priscila, Juliana e de todos os alunos que fazem parte desse projeto que tem dado frutos. Fico muito satisfeito em ser parceiro dessa iniciativa”.
De acordo com a coordenadora do Projeto Extensionista Reconstruindo Laços, Profa. Maria Juliana Dionísio de Freitas, “a ação do Agosto Lilás proposta pelo Tribunal de Justiça de Alagoas, realizada dentro de um Shopping Center, é muito importante para a comunidade ter acesso a informações que podem salvar vidas. Levar a um público geral, que, não raras vezes, nunca iria conhecer um Juiz de Direito da Vara da Mulher da sua cidade, nunca iria em uma palestra no curso de Direito lá no auditório do Cesmac, que nunca iria à OAB, que não sabe que pode contar com apoio psicológico e de Assistência Social, que pode conseguir um benefício junto ao INSS para se manter, que tem cursos profissionalizantes no Senac gratuitos para elas, dentre tantas possibilidades e recursos para seguir sem jamais estar só. Estar com toda a rede de atores sociais que diariamente materializam os direitos de centenas de mulheres em Arapiraca, mostrando que se ela quiser pode recorrer a uma estrutura capaz de auxiliá-la desde o momento em que se descobriu vivenciando uma das formas de violência, seja ela psicológica, patrimonial, moral, sexual ou física, até a efetiva denúncia do agressor, o que efetivamente pode demorar anos, a depender de muitas circunstâncias que devemos respeitar. A iniciativa do Tribunal transborda a esperança de termos uma visibilidade cada vez maior de um problema que é de responsabilidade de todos nós. Estar dentro do shopping e poder mostrar que o machismo aprisiona, machuca e mata, o corpo e a alma de muitas famílias, mas que podemos e devemos transformar vidas.
Profa. Maria Juliana Dionísio de Freitas - Coordenadora do Projeto Extensionista Reconstruindo Laços
 
O professor e desembargador Orlando Rocha Filho, Coordenador Geral do curso de Direito, explica que esse ano a sanção da Lei Maria da Penha completa 16 anos, a propósito disso e para reforçar o enfrentamento da violência contra as mulheres, o congresso nacional lançou uma Campanha denominada de Agosto Lilás com o tema específico ‘Um instrumento de luta por uma vida livre de violência”. É a divulgação para conhecimento das mulheres da existência de uma rede de apoio para que sejam ouvidas e não se sintam sozinhas diante de eventual violência ou ameaça de violência. Portanto, esse mês de agosto é dedicado anualmente para o combate a violência contra a mulher e tem como foco práticas de orientação e rodas de conversa sobre a violência doméstica especificamente. A cada minuto oito mulheres sofrem violência no Brasil, dessa forma vem o slogan ‘Não se omitam, denunciem’. Essa é uma cruel realidade e o Tribunal de Justiça de Alagoas por conduta de sua coordenação da mulher em situação de violência e atendendo estatístico que se dispõe, quanto aos casos concretos de violência registrado em Alagoas resolveu desenvolver uma campanha em Maceió e Arapiraca, maiores centro populacionais de Alagoas e onde se registrada o maior número de violência contra a mulher”, detalha o desembargador.
Professor e desembargador Orlando Rocha Filho - Coordenador Geral do curso de Direito
 
Ainda de acordo com Dr. Orlando Rocha, “entre os parceiros institucionais, o Cesmac integra a rede de apoio ao Agosto Lilás, direcionado às mulheres em situação de vulnerabilidade, se fazendo presente junto ao Tribunal de Justiça emprestando o melhor de sua capacidade para que se possa alcançar marcas suportáveis, banindo-se por completo atitudes machistas, prepotentes via de regra resultando em agressão física ou psicológica contra a mulher. A iniciativa concentra ação em Arapiraca e Maceió com a presença marcante do Cesmac”.
A programação tem ainda o envolvimento dos professores: Sidney da Silva Rêgo - Coordenador Adjunto do Curso de Direito; Manoel Bernardino da Silva Filho - Coordenador do Núcleo de Apoio à Extensão da Faculdade; e ainda Priscila Vieira do Nascimento - Diretora da Faculdade Cesmac do Agreste.
 
Sobre o Projeto
O Reconstruindo Laços é um projeto de extensão presente na instituição Faculdade Cesmac do Agreste desde 2018, e tem como finalidade a defesa dos direitos das mulheres através da conscientização, articulação com a comunidade, órgãos e instituições públicas e privadas, o estudo e a divulgação de dados e informações sobre direitos, sobretudo, aqueles constantes na Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006) e demais direitos das mulheres.
A missão do projeto de extensão Reconstruindo Laços é levar conhecimento para a sociedade como um todo, especialmente mulheres e jovens, sobre apoio às vítimas e como ajudá-las, e fortalecer o apoio às mulheres vítimas de violência que ainda estão em julgamento e esquecidas pela sociedade, na situação em que a vítima é vista como a culpada.
A iniciativa já alcançou parcerias inimagináveis, que se solidificaram ao decorrer da versão, a título de exemplo: Defensoria Pública, Ministério Público, Patrulha Maria da Penha, Juizado da Violência Doméstica de Arapiraca, entre inúmeros outros. O projeto conseguiu ajudar pessoalmente quase 200 famílias das vítimas de violência, e através das redes sociais e de nossas palestras alcançou abrangência, compartilhando informação para aproximadamente 65 mil pessoas.